sábado, 21 de fevereiro de 2015

50 tons de Cinza

O livro 50 tons de cinza - o best sellers, lançado em 2011 gerou um revolução na internet, a mulherada ficou louca, tornou-se em pouco tempo o assunto mais comentado no Brasil, todo mundo tinha uma opinião, muitas contraditórias, muitos amaram o livro e outra boa parte o detestou - como eu.  Depois que a poeira baixou, o assunto morreu, esse começo do ano de 2015 foi marcado pela exibição do tão esperado filme, que para muitos seria como a própria transgressão (a putaria) na terra, no bom sentido. Ainda não assisti o filme, mas li o livro, então vamos criticar, porque faz bem.
A minha experiência quanto ao conteúdo do livro não foi dos melhores, sendo muito sincera, sei que muitos vão dizer que foi lindo, foi perfeito, blá blá blá. Na minha opinião, que não vale nada, foi o pior livro que já li, vamos por parte: 
1) Estrutura, linguagem, vocabulário - 0,0
2) Construção de Diálogos ricos e vibrantes - 0,0
3)  Conteúdo Reflexivo - 0,0
Eu não aceito gostar de um livro com tantas palavras chulas, gente escrever um livro não é fácil e não estou pedindo um livro nos padrões clássicos, estou falando do básico. O vocabulário do Sr. Grey é tão pobre quanto o da Anastasia, para quem não sabem são personagens cultos. E o que esperar dos diálogos? Primeiro que o livro é praticamente o monologo na cabeça na Anatasia, onde a sua mente cria uma ninfeta louca por sexo, que não ver problema nenhum numa relação sadomasoquista, seu desejo reprimido de ser masoquista é aos poucos manifestado durante o livro. O que há de errado? Anastasia é uma virgem de 21 anos que nunca chegou perto de uma relação sexual e que, ainda por cima, apresenta comportamentos e ideações românticas com o Sr. Grey.
Para quem tem um mínimo de conhecimento é claro que essa relação é doentia, mas o que acontece? Ela cura ele com amor. OUUUUUUUUUUN!!! Sério????? Siiiim!!
Eu não sei quando a autora resolveu jogar pó de pirlimpimpim nessa história louca que ela criou e resolveu transformá-la em um conto de fadas, onde um mulher é capaz de mudar a personalidade de um homem se ela o amar e tiver paciência, não era o que diziam as avós? Não mais. Para acabar com a fantasia da maioria, o sadomasoquismo está classificado como doença no CID-10, se a atividade é a fonte de estimulação mais importante do casal ou é necessária para a satisfação sexual, 'afinal ele não faz amor, ele fode com Força', sim meninas, uma doença que causa agressões, traumas e morte. E acredite não cura com amor!
Por fim, o livro me remete a uma reflexão sobre o comportamento feminino que acaba reforçando e mascarando o machismo instalado socialmente, se o cara é rico, poderoso e bonito, vale a pena se submeter a tudo para sentir-se bem, pois ficar nesse lugar de 'escolhida' eleva a tão massacrada autoestima feminina, o livro da na cara da sociedade atual que diz que não somos mais as mulheres inseguras e incapazes, será esse o sentimento que ainda vivemos? Bem não sou eu quem pode afirmar, mas é algo a se pensar. 

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Self / Selfie

Boa tarde navegadores, faz um bom tempo que não escrevo por essas bandas, tenho a sensação de que os blogs perderam seus habitantes pela ânsia da explicação rápida, das opiniões formadas e das informações instantâneas, fomos substituídos pelos vlogs? Canais com milhares de inscritos chamam a atenção, travam batalhas de quem informa mais, quem zoa mais, quem brinca mais e usa mais palavras de baixo calão. Isso não significa que não assista, acho que é bom instrumento e que tudo é válido nessa terra ninguém chamada internet, porém o que me assusta é a elevação dessa exposição exacerbada.
Eis a sociedade do espetáculo, tudo torna-se motivo para mostrar e aparecer. William Shakespeare profetizou: Ser ou não ser, eis a questão. Mas ele não vivera o suficiente para ver seu pensamento transforma-se em: Ter ou não ter, eis a questão. Parece-me que ainda assim conseguimos chegar mais longe do que apenas clamar o ter, pois a frase 'melhor que ter é parecer ter' parece muito mais apropriada para nossa atualidade.
A Self tomara significado próprio - Selfie (Junção do substantivo Self e sufixo ie) um tipo de fotografia de si mesmo, autorretrato, mostra a independência das pessoas de se auto fotografar. Onde está a sua Self? O seu eu? Nos perfis espalhados pelas redes sociais. A isso foi minimizado a relação do homem com a sua Self - o seu eu interior, o seu eu verdadeiro. William James quando definiu a Self partiu de três experiências Básicas do homem: A consciência Reflexiva, que é o conhecimento sobre si próprio e a capacidade de ter consciência de si; A interpessoalidade dos relacionamentos humanos, através dos quais o indivíduo recebe informações de si; A capacidade do ser humano de agir.
Relacionando a sociedade atual cada vez mais individualista e imediatista, podemos observar a distância da noção de Self que temos, um sociedade que busca a aparência, maximiza a individualidade e prioriza a velocidade, percorre o oposto do encontro de si mesmo. 
"O homem conhecem tudo, todas as teorias, todas as ciências, menos seu próprio eu."

sábado, 25 de janeiro de 2014

Direitos humanos, Direito de todos


Nestas últimas semanas tenho ficado cada vez mais bestificada com a situação do Brasil em relação a trama carceraria do país, sei que pelo mesmos motivos as pessoas se voltaram para audiência que se tem dado aos noticiários sobre o presídio de Pedrinhas em São Luiz do MA. Para mim não era novidade, o caos dos presídios no país a dentro, me parece ser o momento da colheita. Tanto se fez que hoje estamos vendo o que foi plantado nesse sistema, pessoas tratadas como animais. Sim, ainda são pessoas,  podem até usar os crimes hediondos que cometeram para tentar provar que não são seres humanos, mas ainda assim, todos esses criminosos são pessoas.
Eu não sei com que fato eu fico mais assombrada, com as catástrofes causadas, desde uma criança assassinada, banalização da violência, um país entregue a bandidos (em todos os sentidos possíveis e não possíveis) ou com a ignorância e os comentários da população quanto ao que está acontecendo. Sinceramente me doi, ver tanta gente jovem ignorante.
Lendo cada tipo de matéria sobre os presídio do Maranhão tanto na capital quanto nos interiores do estado, tenho visto os mesmo problemas enfrentados: super lotação, péssimas condições, pocilgas que mais servem como criatório de doenças e bactérias do que podem ser chamadas de presídios. As situações dos presos são das mais horríveis, presos que nem foram jugados, presos que nunca prestaram esclarecimento e aqueles que já nem sabem mais por qual crime estão pagando, de tanta desordem.
Daí me vem um sentimento até de esperança em pensar: Se isso está ganhando os noticiários então pode ser que as pessoas estão abrindo os olhos, o país está mudando. Um segundo de esperança levado para o buraco no momento em que vejo os comentários de "alguns" cidadãos, e ai vem toda a decepção de acreditar que um dia seremos diferentes.
Ninguém precisa ter pena de criminoso, bandido, ladrão, estuprador e tudo de horrível que se tem nas prisões do mundo, ninguém está pedindo para que você adote um preso, e longe de qualquer coisa ninguém está pedindo para que ele seja solto. Parece que a maioria das pessoas concordam com o que acontece nesse tipo de recinto. E me dizem que "Esses monstros merecem coisa pior", "querem dar uma suite para o preso", "Bandido esperança". - Os comentários os piores possíveis.
Reflito o seguinte: "O que está acontecendo hoje é fruto dessa mentalidade, os governadores pensam: "Para quê investir em bandido?", "Para quê reformar o presídio?", "Para quê respeitar a dignidade humana?", "Para quê?", "Para quê investir em pobre?", "Para quê?", "Para quê reformar a escola pública?", "Pra quê respeitar a dignidade humana?", "Pra quê investir em saúde?", "Pra quê?", "Pra quê reformar hospital?" "Pra quê?"...- Eles podem viver de qualquer jeito, afinal ninguém se importa né? O Bolsa Família resolve tudo. Me responda, pra quê?"
A população está tão acostumada a tapar os olhos que quando resolvem 'ver', olham o lado errado. É um ciclo, uma coisa é o resultado da outra. Os presos praticaram crimes, eles merecem pagar pelo que fizeram, mas também merecem não ser assassinados enquanto isso, merecem ter refeições, merecem ter atendimento médico, quando necessário, merecem como qualquer outro sujeito no mundo. Isso não é conforto, isso é dignidade.
Ai me dizem: Há mas eles não foram dignos. E eu lhes respondo: não devemos julgar o ato do outro, pois nos tornaremos iguais. Não foram dignos e nem por isso precisamos agir como eles retribuindo a monstruosidade. Olho por Olho e mundo acabá cego.
'Muitos' que pensam dessa forma 'ignorante' se tivessem a oportunidade matariam ou fariam atrocidades com os presos e criminosos, sujariam as mãos com o sangue de outro ser humano, igualando-se a eles. São pessoas como essas que se tornam policiais, médicos, tornam-se advogados, políticos, psicólogos, engenheiros, juízes e ainda pais e mães de família, e que fazem suas parcelas de crimes minimamente percebidos, pois dizem ser 'instruídos' e ocupam outro lugar na sociedade. Mas não são diferentes do bandido, do morador de periferia. Porém quando são presos esses "médicos, advogados..." merecem, usam e abusam da sua dignidade nos presídios.
Somos todos iguais perante a lei, não se diferencie pelo seu status e por achar que você é melhor que o outro. Se queremos um país justo comece você a pensar o que é justiça.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Amor de Cinema

Hummm... amor de cinema... Desses lindos e encantadores dramas de romance que nos faz sentir aquele aperto no peito pela sina do casal apaixonado. Um amor que arde em paixão, que em simples olhares que duraram cerca de 1 segundo foram capazes de devastar uma bela moça, que nada semelhante havia experimentado em toda a sua vida. Um daqueles amores em que o belo rapaz traz flores numa tarde de segunda-feira, e que canta com sua voz de perfeita sintonia com a harmoniosa melodia que sai de sua boca em tom, levemente, aveludado, o mesmo rapaz esteve ali a cada segundo do seu dia de prontidão para socorrer sua bela donzela de qualquer ameaça que possa vim lhe cometer.
Aquele amor que em uma unica semana, ou menos, os desejos mais intensos se revelem as frases mais sonhadas são despejadas em declarações espontâneas e todo o jogo de sedução, olhares, sorrisos são, de repente, trocados por tragédias das mais inimagináveis deixando-os temporariamente inalcançáveis, temporariamente, pois seus destinos estariam traçados? Seriam os Deuses? De forma grandiosa e épica tudo torná-se pesadelo após o alvorecer do fim. Eles descobrem que o final feliz bateu suas portas e deu ponto final a suas histórias logo onde começariam seus dias alegrias. Ou não?
Quem não quer um amor assim?

Eu quero um amor verdadeiro, sem farsa, fantasia ou ilusão. Eu quero um amor de vida real, um amor que eu possa me apaixonar todos os dias, um amor que me acorde dizendo que estou atrasada para o trabalho, que me olhe torto quando está chateado, que diga que seu dia foi cansativo no trabalho e que até debruce sobre mim o seu estresse e vice-versa. Eu quero um amor que cante para mim, com a sua voz verdadeira sem disfarce. Eu quero um amor que me diga que preciso melhorar, que me critique quando preciso for, que não me veja só como um rostinho bonito, que odeie minha teimosia e fique louco com as minhas bagunças, um amor que durma comigo de conchinha, mas que no meio da noite com o membros adormecido, vire-se para o outro lado e diga: te amo, boa noite.
Um amor que me faça pensar como é bom ter alguém ao meu lado, que saiba o meu valor e que eu possa confiar e torná-la uma das pessoas mais importante na minha vida, pois será com ela que pretendo dividi-la para sempre. Um amor que me olhe nos olho e eu sinta que esta lendo a minha alma, pois me conhece melhor que eu mesma, que eu a olhe e sinta só coisas boa transbordarem de mim. Um amor que me dê uma louca vontade de está o mais perto possível.
Eu quero um amor que chore quando eu viajar para longe mesmo sabendo que logo estarei de volta, quero um amor que fique com ciúmes, que as vezes não possa me salvar de tudo, mas que se eu precisar saberei que estará comigo. Quero um amor que me faça perceber que ninguém foi capaz de me acrescentar tanto quanto ele, que todos que passaram por minha vida, passaram e só, pois esse amor é o único que eu desejo que permaneça não porque foi o primeiro, mas porque não me fez querer mais ninguém.
Eu quero um amor que me peça em casamento, todos os dias. Que diga que me ama em suas expressões de amor, quero um amor que não acabe quando finalmente estivermos juntos, que mesmo com a rotina ele me olhe e enxergue aquela mulher pela qual se apaixonou, mesmo depois de cada discussão, briga ou DR. E que mesmo depois de anos nós sejamos capazes de rir de tudo que passou e dizer: É com você que eu quero ficar por toda a minha vida. Um amor que na velhice eu me preocupe com sua saúde, que seja um companheiro eterno, pois a paixão passa e apenas os bons frutos do verdadeiro amor restará neste momento.

Eu não quero um amor que não existe, um amor fantasioso e não quero esperar por um amor que não é real. O amor de verdade não é assim como o de cinema, as pessoas não são assim, as vidas não são assim. O cinema apenas representa a vida em papei e não a vive de verdade.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Copa do Mundo no Brasil

Bom, esse assunto tem sido polêmico entre os brasileiros a fora, hoje vi um vídeo de uma brasileira ou que se diz brasileira, porém que gravou um vídeo em inglês, o título "Não venha para a Copa do Brasil." Ao decorrer do vídeo ela argumenta o 'por que' de estrangeiros não virem para a copa, no mínimo, se ela for brasileira, ela não quer concorrência para comprar ingressos, rs. Dentre os argumentos estão aqueles que você, eu e todos estão cansados e batidos de saber: O Brasil é violento, não tem estrutura, não tem educação, não tem saúde. E a única coisa que me fica fixado é: E a sua contribuição é pedir para as pessoas não virem aqui? - Claro o Brasil é uma selva, cuidado, tem macacos e bichos selvagem para todos os lados.¬¬

Nossa... parece uma pessoa dizendo que você não deve ir na Africa porque tem gangues e assassinos, tem fome, tem negros. Sim tem, no Brasil também tem e não é com a falta de turista que isso vai mudar. Isso faz parte do nosso país, se você pensa assim, me desculpe, mas você é tão preconceituoso quanto qualquer americano ou europeu que acha que na Africa e no Brasil só tem as coisas citadas a cima.

Eu não estou defendendo que devemos ficar radiantes com a Copa do Brasil, nem de futebol eu gosto, só acho que um evento MUNDIAL, não deve ser monopolizados por países ricos, pois os pobres também tem o direito de assistirem jogos de qualidade, isso não vai mudar o Brasil, como a Copa não mudou a Africa, mas com certeza muitos cidadães que jamais teriam a oportunidade de assistir um evento de tamanha grandeza teve a sua vida mudada, pois um muro invisível de impossibilidades foi rompido. É simbólico é importante. '- Ah, mas podia acabar com a fome na Africa.' Muitos podiam acabar com fome na Africa, mas até hoje só fazem repetir essa frase, e se a Copa não tivesse ido? Todos continuariam passando fome, pois sabemos que política não simplesmente estralar os dedos... e tudo está como deveria ser.

'-Mas Dilma deveria investir o dinheiro da copa na Educação.' Sim, como deveria investir o dinheiro dos roubos, mensalões, corrupções na Educação, na Saúde, na Segurança. Vivemos anos e anos sabendo que o mínimo dos nosso impostos estão sendo aplicados no realmente precisamos e sendo desviados para os bolsos, e ai? Se não tivesse a Copa isso ia mudar em quê? Você brasileiro já aprendeu a votar por isso? Você brasileiro já começou a cobrar dos governantes? Você brasileiro já começou pensar criticamente de forma construtiva ao invés de meras palavras chulas? Você brasileiro já acha que votar é mais importante do que ir a praia? Você brasileiro já aprendeu a ser cidadão e contribuir para o seu país? Você brasileiro parou de achar que o 'jeitinho brasileiro' é a melhor maneira de viver?  Não né? Então mude as pessoas e terá um país melhor, uma nação melhor.
Não é a Copa que vai te ensinar isso, nem a Dilma, nem o Lula, é você que aprende quando realmente quer acrescentar no mundo e não apenas esta nele.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Mentira para Análise do Comportamento

A obra Comportamento Moral de Paula Inez, aborda a mentira em diversos aspectos inclusive na visão da analise do comportamento, é uma obra de fácil compreensão, sua construção é feita a partir das visões de diferentes autores. Inicialmente, é discutida a mentira como um comportamento humano que faz parte do cotidiano, em relatos ela pode aparecer como uma necessidade para o convívio social. A mentira pode ser vista, também, como forma de fuga de problemas, porém, notadamente, em diversos contextos estará associada à imoralidade. Skinner (1971-1977) aponta a mentira como consequência da história de reforçamento nos moldes operantes para ser aprendido, mantido ou modelado, podendo ser usado, também, como método de esquiva de punições. Esses são conteúdos que serão abordados ao longo desta resenha crítica.
Existem inúmeros estudiosos, escritores com idéias diversas sobre a mentira, há aqueles que a defendem como necessidade para uma boa convivência social, além de exercer papel importante nas relações afetivas e na possibilidade de conquistas sociais, tais como DePaulo e Kash (1998). É possível diferenciar dois tipos de mentiras, a “boa” – socialmente aceita, vista como nociva, não prejudica outras pessoas, e a “ruim” – aquela que é usada para tirar vantagens, vista como imoral e que prejudica outras pessoas. Todavia, há aqueles como Smith (1953), Ballone (2006) e Aurélio (2009) que sugerem que a mentira é qualquer comportamento com o único fundamento de dar informações falsas, enganar, privar da verdade e prejudicar o outro.
Segundo a análise do comportamento, analisada por Gomide (2012)- Comportamento Moral, a mentira é um comportamento operante verbal, ou seja, um comportamento aprendido a partir de contingências e reforçadores que os instalam os mantém e os modificam.  A fala em geral é um comportamento operante, pois o ouvinte responde aos estímulos verbais do falante e esse por sua vez comporta-se verbalmente ao estímulo do outro, além de torna-se também ouvinte ao comportamento verbal de outros. A mentira ocorre quando não há uma distinção na correspondência entre o comportamento verbal e comportamento não verbal, o que foi dito e o que foi feito.
A partir disso há dois principais operantes verbais: o mando e o tato. Segundo Skinner (1957) o manto é quando a resposta verbal é emitida sob controle de condições motivacionais específicas, por exemplo: privação ou presença de estimulação aversiva, ou seja, pode ser observada como ordem, pedido, etc. Na mentira o mando pode ser chamado de “Mando Distorcido”, é quando se usa um mando como um reforçador, mas na verdade o reforço real é outro, pois este pode gerar uma consequência aversiva, podendo ser evitada dessa forma. Já o tato é o comportamento verbal que está sob o controle de eventos antecedentes e têm por função cultural “informar” o ouvinte sobre os eventos, objetos, acontecimentos anteriores, tateados, para que ele (o ouvinte) tenha a experiência com o máximo de estímulos dados pelo relato do falante.
A verdade ocorre quando a correspondência entre o que foi dito se aproxima ao máximo do o que foi tateado, sendo esse o “Tato Puro”, quando não há precisão nessa correspondência, o que foi descrito e o evento tateado, seria o mais próximo do conceito de mentira, sendo chamado de “Tato Impuro”, sendo usado como esquiva de estímulos aversivos e contingências punitivas, este comportamento passa a ser mais controlado pelas conseqüências do que por eventos antecedentes.
Observa-se que a mentira apesar de ser um comportamento de certa forma rotineiro, está longe de ser um conceito absoluto e generalista. Podemos encontrar ideias contraditórias de diversos autores e estudiosos sobre este tema. Conclui-se que não há uma relação fixa do real e irreal com verdade ou mentira, pois cada ser humano com a sua subjetividade responde de forma única aos fenômenos, eventos e objetos por ele visto ou sentido. A análise do comportamento nos trás outra visão para este assunto, com outras variáveis de explicações a esse determinado comportamento, não desfazendo dos valores culturais imposto pela sociedade, sendo de suma importância para o conhecimento sobre o comportamento humano, dando mais possibilidades de compreensão sobre a mentira.

Referencia:
·         GOMIDE, Paula, I. C. Comportamento Moral – Uma proposta para o desenvolvimento das virtudes. (2010, 2012).

·         SKINNER, B. F. Comportamento Verbal. (1957)

sábado, 9 de novembro de 2013

Tempo

Uma coisa é certa a desculpa será sempre o TEMPO. Esses dias me deparei com a complexidade do tempo, passando por um shopping muito conhecido na cidade, notei a decoração de natal e pensei: "Já é Natal?", pior que sim.
Quanto tempo que eu não escrevo no meu blog, quanto tempo que não sento num banco qualquer para tomar uma brisa, quanto tempo não vou a praia, quanto tempo que não penso sobre mim, sobre o mundo? Tem tempo, e a desculpa é só que não tenho TEMPO, eu não tenho tido tempo para muitas coisas que eu gosto como: "TER TEMPO".

O que fazemos agora? Que o tempo domina a nossas vidas, os nossos dias, as nossas rotinas? Eu sinceramente não sei, quanto mais o tempo passa mais eu desejo morar num lugar calmo com árvores que façam sombra, uma cadeira de balanço, numa varanda, só para ver o tempo passar. E será que vou ter TEMPO para isso?
Porque pelo que ando vendo do nosso tempo, as pessoas trabalham, correm, não param todo o tempo. Talvez seja um ciclo vicioso, quanto menos tempo você tem, menos você procurará ter tempo para alguma coisa.  Um exemplo disso é aqueles dias que os planos dão errados e nos deparamos com o vazio do tempo livre e o que fazemos? NADA. O fato de não termos mais tempo, nos condiciona a não sabermos mais aproveitar o tempo, ou pouco tempo, que temos.

Porque será que o tempo tornou-se tão disputado? Porque as pessoas não conseguem parar? Não conseguem, por um minuto, respirar fundo e pensar, para não perder tempo? Muitas vezes o fato de vivermos nessa correria, torna-se uma fuga subjetiva para não refletir a si mesmo. Sim, porque o tempo e o seu vazio nos remete, nos convoca a uma exploração interior, o está só. Só com tempo. Sem cobranças de está atrasado, só a cobrança de conhecer-se, do 'quem sou?', o que tenho 'feito por mim?', o que tenho 'feito pelo meu mundo?'. Use seu tempo, a seu favor, por você e não por ter, por quer, por possuir coisas, mas por ser, por fazer, por sonhar o seu bem.
"APROVEITE O SEU TEMPO, por você."